Área do cabeçalho
gov.br

Este sítio foi reprojetado para melhor atendê-lo. Acesse já pelo celular e veja mais essa novidade

Portal da UFC Acesso a informação da UFC Ouvidoria Conteúdo disponível em: Português

Universidade Federal do Ceará
Curso de Engenharia de Pesca

Área do conteúdo

Apresentação

O Pescado no Mundo: qual é a importância do Pescado?

Na indústria mundial de pescados, dois sistemas  de produção coexistem: a pesca extrativa, que é  destinada à captura de recursos pesqueiros  marinhos, estuarinos e continentais e a aquicultura, que é o cultivo de espécies aquáticas  tanto em ambientes marinhos quanto dulcícolas. Dentre esses sistemas, a aquicultura tem se  apresentado como a atividade mais expressiva em  termos de produção dos últimos anos. Segundo a  FAO,  em  2018,  a  aquicultura  contribuiu  com  82 milhões de toneladas, o que correspondeu a 47% da produção total no mundo e a pesca contribuiu com 96 milhões de toneladas.

O consumo mundial de pescado, em 2018, foi de aproximadamente 156 milhões de toneladas, que representou 40% do total de carnes consumidas,  ficando à frente do consumo de carne suína (26%), de aves (20%) e de carne bovina (14%). O consumo per capita de pescado no Mundo está crescente, em 2018 foi de 20,5 kg.

Assim, dada a importância alimentícia e comercial do  pescado,  os  gestores  podem   expandir   a   produção   aquícola   brasileira   com   maiores  investimentos  nas  áreas  de  pesquisa,  tecnologia,  desenvolvimento  e  inovação  para  que  se  possa  atender o  mercado  local.  Estas  ações  sobre  as  atividades do mercado interno podem aumentar e/ou criar serviços, gerando emprego e renda para a população, como estratégia de crescimento econômico. Deste modo, o Engenheiro de Pesca é o profissional que atende às essas demandas do mercado.

Onde estudar Engenharia de Pesca no Brasil?

No Brasil existem 25 cursos de bacharelado em Engenharia de Pesca distribuídos em todo território Nacional. As regiões Norte e Nordeste são as que apresentam o maior número de cursos, que juntas representam 76% do total. Dos 25 cursos existentes, 20 destes foram criados a partir da década de 2000.

Região Norte
UFAM Manaus/AM 1988
UFRA Belém/PA 2000
UFPA Bragança/PA 2005
UEAP Macapá/AP 2007
UNIR Presidente Médici/RO 2009
UFOPA Santarém/PA 2011
IFPA Castanhal/PA 2017
Região Nordeste
UFRPE Recife/PE 1970
UFC Fortaleza/CE 1972
UNEB Paulo Afonso/BA 1999
UFRB Cruz das Almas/BA 2005
UFDPAR Parnaíba/PI 2006
UEMA São Luís/MA 2006
UFAL Penedo/AL 2006
UFRPE Serra Talhada/PE 2006
UFERSA Mossoró/RN 2006
UFS São Cristóvão/SE 2007
UNEB Xique-Xique/BA 2011
UFMA Pinheiro/MA 2015
UNIRB Salvador/BA 2019
Região Sudeste
UNESP Registro/SP 2012
IFES Piúma/ES 2012
Região Sul
UNIOESTE Toledo/PR 1997
UDESC Laguna/SC 2010
Região Centro-Oeste
IFMS Coxim/MS 2017

 

O Curso da UFC é o 2ª mais antigo do Brasil, com 49 anos de existência, tendo até o ano de 2020, 1.443 egressos. Anualmente são ofertadas 100 vagas. Em sua última avaliação realizada pelo MEC, em 2016, o conceito do curso foi 4.

A criação do Curso de Graduação em Engenharia de Pesca do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da UFC foi proposta ao Conselho Universitário (CONSUNI) da UFC, em sessão realizada pelo Conselho Departamental da Escola de Agronomia desta Instituição de Ensino Superior em 05 de dezembro de 1971.

A Resolução Nº 257 da Reitoria da UFC aprovou a criação do curso de Engenharia de Pesca em 25 de julho de 1972. Seu reconhecimento foi concedido pelo Conselho Federal de Educação (CFE) através do Decreto No 81.934 de 11 de julho de 1978, publicado no Diário Oficial da União (DOU) em 12 de julho de 1978. O Curso teve seu reconhecimento mantido pelo Decreto de 25 de abril de 1991, da Presidência da República através da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil.

A Profissão de Engenheiro de Pesca

A profissão de Engenheiro de Pesca é regida pela Lei Nº 5.194/66 de 24 de dezembro de 1966, que regulamenta o exercício das profissões de Engenheiro e Agrônomo.

Considerando a necessidade de discriminar atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (CONFEA) criou a Resolução  Nº 279 de 15 Junho 1983, que discrimina as atividades profissionais do Engenheiro de Pesca.

A Lei Nº 12.820 de 5 de junho 2003 instituiu o Dia Nacional do Engenheiro de Pesca, sendo comemorado no dia 14 de dezembro em alusão a colação de grau da primeira turma de Engenheiros de Pesca do Brasil.

Para exercer a profissão de Engenheiro de Pesca, todo Bacharel deve obter sua habilitação registrando-se no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da sua Região (CREA) e opcionalmente integrar a Associação dos Engenheiros de Pesca da sua Região (AEP).

Mercado de Trabalho: onde e como o Engenheiro de Pesca pode ser essencial?

(I) Aquicultura: cultivo de organismos aquáticos

  • Elaborando projetos de fazendas aquícolas.
  • Gerenciando e criando negócios.
  • Desenvolvendo novas técnicas de cultivo e melhoramento genético de espécies.
  • Prestando consultoria em diversos serviços
  • Podendo atuar em: instituições de ensino, fazendas aquícolas, órgãos ambientais e legisladores, secretarias de desenvolvimento regional.

(II) Pesca: captura dos recursos pesqueiros

  • Criando novas tecnologias de captura.
  • Analisando a “saúde” dos estoques pesqueiros.
  • Contribuindo em medidas de ordenamento.
  • Monitorando, regulamentando e fiscalizando as pescarias.
  • Elaborando projetos socioeconômicos da pesca
  • Podendo atuar em: instituições de ensino, órgãos ambientais, empresas de pesca, órgãos não-governamentais.

(III) Tecnologia do Pescado: processamento de produtos aquícolas

  • Criando novos produtos e biotecnologias para agregar valor ao pescado.
  • Avaliando a qualidade nutricional, sensorial e de conservação do pescado.
  • Elaborando projetos de viabilidade técnica, econômica e social de indústrias de pescado.
  • Podendo atuar em: instituições de ensino, empresas alimentícias, órgãos de regulamentação e fiscalização alimentícia.

Remuneração: o Engenheiro de Pesca ganha bem?

Como é comum ocorrer em várias carreiras, a remuneração do Engenheiro de Pesca varia de acordo com o tempo de formação, a Região (Norte, Nordeste, Sudeste, Sul ou Centro-Oeste), o seguimento (aquicultura, pesca ou processamento do pescado) e o setor (público ou privado).

Pesquisas informais realizadas em sites de emprego e empregadores indicam que a remuneração pode variar de R$ 3.200,00 a R$ 16.000,00.

Os contratantes disponibilizam vagas como: educador, assistente técnico, consultor, aquicultor, gerente de controle de qualidade, analista de qualidade, especialista técnico comercial, analista ambiental, especialista em piscicultura, supervisor de produção, especialista de programa socioeconômico em pesca, monitor de campo em pesca, gerente de projetos, dentre outros.

As habilidades exigidas: conhecimento técnico na área, liderança, trabalho em equipe, oratória, proatividade, criatividade, uso de planilhas eletrônicas, relação interpessoal, responsabilidade e ética, domínio de língua estrangeira, elaboração de relatórios, análises de dados, relacionamento corporativo, criticidade.

O Engenheiro de Pesca também pode abrir seu próprio negócio. Ser um empreendedor. Dependendo do negócio, a remuneração pode atingir altos valores.

Quer saber um pouco mais sobre o curso e a profissão no Brasil? Acesse o links:

Conhecendo o Curso – UFC

Conhecendo o Curso – UFS

Áreas do Curso – UNESP

Mesa redonda: conheça o curso Engenharia de Pesca

Aulas de Campo – UFC

Desafio Profissão – PUC

Desafios da Profissão – PR

Guia de Profissões – UNESP

Profissional Engenheiro de Pesca – CONFEA/CREA

Dia do Engenheiro de Pesca – CONFEA/CREA

Congresso Nacional de Engenharia de Pesca

Portal do egresso – UFC

Acessar Ir para o topo